Bibliomania: Biblioteca de bolsa

Cada leitor tem seus hábitos de leitura, lê de um jeito e possui um local preferido. Eu passo a maior parte do meu dia na rua. Saio de casa por volta das oito da manhã e volto às 20:00; 22:00 se for dia de aula.

Talvez por isso acabe lendo bastante fora de casa. Por padrão, leio uma hora e quarenta minutos por dia, entre ônibus e horário de almoço. Em dias de curso, esse horário de leitura ganha um adicional de uma hora entre a saída do trabalho e o início da aula.

Sigo este padrão de leitura já há alguns anos, e para mim funciona muito bem. Mas também gerou a minha bibliomania: manter uma minibiblioteca na minha bolsa. Eu (ainda) não me adaptei ao e-reader, apesar de possuir um bastante bom, e me enlouquece ficar sem nada para ler. Por isso, apesar de não conseguir ler mais de um livro por vez, sempre tenho de dois ou três livros na minha bolsa: o último livro lido, o livro que estou lendo e o próximo.

O último livro lido fica pelo menos dois dias na bolsa depois de acabado, “para o caso de eu querer buscar uma referência”, o que na prática é saudades de sua história. O que estou lendo  fica lá por motivos óbvios, e o próximo a ser lido está de plantão para o caso do livro anterior acabar.

Mais, o livro do momento fica do lado do meu teclado do trabalho, mesmo que lá eu não possa ler. Gosto de mantê-lo por perto, nem que seja para despertar a curiosidade dos  meus colegas de trabalho quanto ao que estou lendo.

Carrego um livro literário na bolsa desde os tempos de escola, mas a sistemática dickseniana de livro passado/livro presente/livro futuro começou com a minha participação na SLT (Sociedade dos Leitores Tortos), que nada mais é que um grupo de amigos que se reúne periodicamente em volta de uma mesa e algumas garrafas de vinho para conversar sobre livros.

Comecei a levar para as reuniões a trilogia antes/durante/depois para falar sobre os dois primeiros e pedir opiniões sobre o terceiro. Com o tempo, a presença do próximo livro se tornou uma necessidade, uma maneira de não ficar presa num engarrafamento ou numa fila sem nada para ler, meu paninho azul para momentos de crise. É algo quase instintivo, um ato mecânico, um sistema de proteção. Para não parecer tão maníaca, elaborei cinco motivos para manter minha mini biblioteca na bolsa.

1. Porque as pessoas se atrasam:  Costumo chegar muito cedo aos meus compromissos sociais. Por outro lado, por vários motivos, nem sempre meus amigos podem chegar no horário marcado. E nesse intervalo eu leio. E se o livro que estou lendo está acabando, nada melhor que já ter algo para continuar lendo, just in case.

2. Porque filas demoram: Como bancária eu sei por experiência que filas demoram mesmo, principalmente se a pessoa na sua frente precisa ser atendida com atenção especial. A experiência bancária também me ensinou que não vale a pena se irritar pelo tempo perdido em uma fila. Ler na fila serve tanto para não se estressar com a demora  – e consequentemente ser melhor atendido – quanto para aproveitar o “tempo perdido”. É também um excelente meio de evitar o número 3 da lista.

3. Porque pessoas podem ser inconvenientes: Por um motivo que não saberia explicar, tenho um daqueles rostos que convidam as pessoas a contarem seus problemas.  Quando estou de bom humor não é algo que atrapalhe muito, mas sempre há aquele dia em que não queremos conversar nem com nossos amigos, quanto mais com desconhecidos. Ler costuma afastar a maior parte dos inconvenientes de plantão e/ou ajuda a ignorá-los quando estão em seu pior estado.

4. Porque almoçar sozinho pode ser um saco: Por causa da necessidade de rodízio de horários no trabalho, quase sempre almoço sozinha. E almoço fora, num restaurante grande e cheio de barulho de talheres por todos os lados. Um livro substitui, para mim, a companhia de uma pessoa. Com ele eu converso, me divirto, passo uma hora tranquila no meio da minha quase sempre frenética jornada de trabalho. E como bônus, eu deixo de me irritar com a conversa dos outros ou o tilintar dos talheres.

5. Porque ônibus demoram: Neste caso nem sempre é problema do veículo em si. Vivo numa cidade em que o transporte público funciona quase sempre, e a linha que uso tem ônibus de 7 em 7 minutos. Mas entrar num desses ônibus às seis e meia da tarde é quase um martírio, e a última coisa que preciso no fim do dia é virar sardinha em lata. Por isso, sento no ponto de ônibus (aqueles tubos legais de Curitiba) e leio até chegar um ônibus no qual possa chegar sossegadamente em casa, de preferência sentada.

Em todas essas situações, o livro que estou lendo pode acabar, então é quase lógico que o próximo esteja à mão. Mas no fundo, no fundo, eu sei que é apenas a minha Bibliomania.

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Comportamento, Literatura e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

25 respostas para Bibliomania: Biblioteca de bolsa

  1. Maurem Kayna disse:

    A sua não adaptação ao e-reader (é um e-reader mesmo ou tablet?) tem a ver com a baixa oferta de títulos ou com o apego ao objeto livro???
    Gostei dessa coisa do antes / durante / depois, mas não conseguiria colocar tudo na bolsa, pois costumo ler pelo menos 4 livros concomitantemente…

    • Kika disse:

      Olá Maurem,

      Minha não adaptação com o e-reader (é um e-reader mesmo, com e-ink, apesar de não ser um Kindle) é mais com a tecnologia mesmo. A tela do meu aparelho é muito sensível e eu acabo trocando a página sem querer várias vezes e me irritando mais do que me divertindo durante a leitura. E, como este texto deve ter transparecido, eu leio para desestressar.

      Claro que eu preciso treinar e usar o bichinho por aí mais vezes, até porque eu tenho muitos clássicos e livros raros no project gutenberg que quero muito ler, e o e-reader com toda a minha dificuldade de adaptação ainda é melhor do que ler na tela do computador…mas vai ficar um pouco mais para frente

  2. Muito maneira sua bibliomania kika, também leio pra caramba no ônibus. Ano passado eu consegui aumentar minha média de leitura justamente por causa disso: tinha que viajar umas duas horas de ônibus pelo menos duas vezes por semana, de modo que aproveitava para ler, coisa que talvez não fizesse em casa, já que quando me dou conta, já se passaram 50 munutos e eu estou na frente do computador, hehe.

    É incrível como eu passei a quase ansiar (quase, OK? hehe) pelo dia em que tinha que pegar o ônibus. O estresse por ter de pegar ônibus também foi para o beleléu. Ando com um livro de cada vez na mochila, mas quando estou próximo de acabar eu já coloco outro junto.

    • Kika disse:

      É, o ônibus é um bom lugar para ler…mas eu anseio mesmo é pelos dias que tenho aula, daí uso a sala de espera deles (lindamente decorada e silenciosa) para mais de uma hora de leitura tranquila… é tão bom!

  3. Taize Odelli disse:

    Não dá pra sair de casa mais sem um livro na bolsa, mesmo sabendo que não vá ler hahahaha
    Esse negócio de ler na fila do banco funciona mesmo. Até comecei a gostar de filas gigantes pra ler mais quando eu tinha que enfrentar isso.
    Mais do que me identifiquei com esse texto, Kika!

  4. Kika disse:

    Faz anos que não pego mais fila no banco (sabe como é, funcionária e tal), mas o supermercado que vou tem uma fila gigantesca… e há vários lugares em que a fila é uma constante. é sempre bom ter um livro à mão…

  5. R. Moss disse:

    Também deixo um livro do lado do teclado no trabalho, e com a capa para baixo.

    Assim a imagem (quando há) não chama a atenção, cabendo ao livro por si só essa tarefa. ^^

  6. andre disse:

    hahah. me identifiquei com muitas partes, mas tb sei q é só sua bibliomania mesmo.

  7. **Maniaca do Miojo** disse:

    Eu leio uns 2 ou 3 por vez, um fica na cabeceira da cama, outro na mochila e deixo na sala ou na estante do meu quarto. Eu tenho que cuidar qdo coloco algum livro na mochila, pq sempre levo alguma fruta e já aconteceu de o livro ficar lambujado com a fruta..furou a sacola =/
    Mas, tb sou do time, de posso nem ter tempo de ler, mas mesmo assim, o bichinho tá na mochila…
    amanhã, eu vou levar devolver dois na biblioteca e pegar mais um, esse tour literário tb é divertido, afinal, vou caçar as minhas próximas aventuras =)
    é muito legal esses tubos de Curitiba, pq pode estar chovendo e vc fica lá protegido!
    Parabéns pelo texto, fico no aguardo dos outros 😀

  8. Meu pesadelo são as salas de espera: não consigo ficar sem um livro, para mim as piores são:
    1- as de aeroporto, atrasos são a regra não a exceção, não viajo a trabalho sem ao menos dois livros na mão.
    2- salas de consultórios, o conceito de hora marcada para os médicos e muito flexível para o meu gosto.

    • Kika disse:

      nem mencionei as salas de espera, mas é outro local excelente para ler… médico eu só marco como último compromisso no dia ou nas férias, exatamente por conta dessa agenda flexível

  9. Bruce Torres disse:

    No momento carrego dois comigo: “Religião para Areus”, do Alain de Botton, e “1Q84”, do Haruki Murakami. Como geralmente tenho mais tempo para ler quando estou indo ou voltando do trabalho, pego o primeiro pra ler quando estou de pé e o segundo quando estou sentado. 😀

  10. Liv disse:

    Eu também tenho um rosto que convida as pessoas a contarem os seus problemas. No ônibus, chego a colocar o fone de ouvido e abrir o livro. =[

  11. Gigio disse:

    Também partilho dessa bibliomania, mas o complicado para os homens é achar uma bolsa que seja prática, não seja pesada e não seja uma bolsa, digamos assim. Aliás, acho que deveria praticar o crossdressing apenas no que tange as bolsas, ftw. Mas normalmente prefiro é sair com o livro na mão mesmo. No desespero, dá para aproveitar até o sinal vermelho.

    • Esse é o Gigio, um autêntico bibliômano, hehe. Eu meio que adotei o costume de andar de mochila para praticamente todo o lugar que eu vou. Mesmo que eu só vá levar o(s) livro(s), eu vou de mochila, assim fica prático para levar e não corro o risco de ficar sem livro. O problema eram os bancos, onde podiam me encher o saco por causa do detector de metais, mas agora estão colocando guarda-volumes antes da porta giratória, então é tranquilíssimo.

  12. Ah, kika, uma próxima idéia que me surgiu agora foi de falar sobre decoração com livros. Tu já viu alguma estante de livros que seja feia? Eu não, hehehe.

    • Kika disse:

      também não viu? acho que vai um bom Livros de Papel com isso…

    • Taize Odelli disse:

      Eu já vi: a minha. Quer dizer, não é estante, é uma prateleira com uma pilha de livros que logo deve cair em cima de mim D=

      • Enquanto não cair, por mais bagunçada que esteja, acho que ainda deve ser maneira. Uma vez eu tinha como regra só colocar os livros nas estantes visíveis (a.k.a. fora de armários e guarda-roupas) se fosse na vertical, naquela posição clássica. Mas o tempo passou, eu descobri a Estante Virtual e seus preços baixos e, bem, digamos que hoje essa regra não é mais aplicável. Volta e meia tenho que mexer aqui porque se não não me acho mais, hehe.

        P.S.: Mesmo assim acho bonito XD

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s