Uma visita ao Museu Paranaense

IMG_0037Às vezes para escrever,  nós temos que sair do nosso casulo. Escrever num café, observar as pessoas na rua, passear, ver coisas velhas. Ou antigas. Ontem eu resolvi sair para ver o mundo, do passado. Eu resolvi ir ao Museu Paranaense.

O museu hoje fica no Alto São Francisco, num edifício construído em 1929, mas foi fundado em 1876, por Romário Martins, que dá seu nome hoje à construção mais antiga de Curitiba, a Casa Romário Martins, ali, na Praça do Bebedouro, no Largo da Ordem. Sua primeira sede ficava na praça Zacarias, e viajou um bocado pela cidade, passando pelo Batel e pelo Paço da Liberdade antes de se mudar para onde ele está hoje. Seu acervo conta com mais de 400mil peças, mas é claro que nem todas estavam em exposição.

Lá eu fiquei por duas horas e meia, praticamente sozinha, e visitei quatro exposições: Uma sobre moda feminina na primeira metade do século XX. Uma sobre a história do dinheiro, uma sobre um pesquisador polonês, Vladimir Kozák, que dedicou sua vida ao Museu e às tribros indígenas paranaenses, e uma parte do acervo permanente, que se baseia na história do Paraná.

Quero compartilhar aqui, com vocês, uma enorme coleção de fotos que tirei lá ontem:

Roupas femininas:

As roupas estavam em excelente estado, montadas em vários manequins, logo na primeira sala após a recepção. Fiz questão de tirar foto da louça, que tinham detalhes lindíssimos, principalmente na prataria.  Os leques e luvas que estão nas fotos são todos do século XIX, e a roupa íntima data de 1909.

Money, money, money:

E aí estão, moedas do período colonial, notas de quase toda a história do Brasil até 1949 (eles tem todas as notas, mas meu interesse era mais anterior), Um modelo em gesso da mão de Dom Pedro II e uma imagem dele, ainda jovem. Ali estão expostas também diversas medalhas de várias ordens brasileiras, portuguesas, e vários outros lugares. A medalha maior é uma efígie do Barão do Rio Branco. E a máquina serve para cunhar moedas. Em uma das salas tem esse lindo lustre de porcelana, que não ficou muito bem na foto, mas foi um dos lustres mais lindos que vi na vida.

Vladimir Kozák

Nesse caso, acho que a história da terceira foto fala mais alto que qualquer coisa que eu possa escrever aqui.. E, finalmente, o acervo (preparem-se para a enxurrada de fotos). Aqui estão coisas desde os índios, à chegada dos portugueses, Brasil colônia, Brasil Império, República e início do século XX. Minha peça favorita? O fonógrafo de Thomas Edison. Seguido de pertinho pela caixa de música do século XIX.  Há também uma sala de música montada completamente com instrumentos datados entre os séculos XVIII e início do XX. Enjoy.

 

Para quem quiser visitar: O Museu Paranaense abre de Terça a Sexta entre as 9h às 17h e nos fins de semana das 11 às 15h. A entrada é franca, só entrar, o endereço é Rua Kellers, 289 – São Francisco em Curitiba. E para saber um pouco mais, o site é www.museuparanaense,pr.gov.br.

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Artes, Comportamento, Victoria e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s