A Child of the Jago (Arthur Morrison)

jagoEis que minhas pesquisas foram grandemente auxiliadas pela biblioteca de um amigo meu. Fazendo um curso em Harvard, ele possui dois volumes que ele chama de apostilas chamadas “Crime and Horror in Victorian Literature and Culture“, que nada mais é que um apanhado de contos, novelas, textos jornalísticos e poemas da era vitoriana e que conta também com um romance: A Child of the Jago publicada em 1896 por Arthur Morrison.

Estou desfrutando a oportunidade com carinho e calma, e muito devo falar sobre as preciosidades encontradas nesta apostila mais pra frente. Mas A Child of the Jago quase me tirou o chão. Escrita em terceira pessoa e sob o ponto de vista da população de Jago – inspirada em Old Nichols, um dos bairros pobres do East End de Londres, Arthur Morrison conta a história de Dicky Perrott, um garoto nascido nas entranhas do submundo, filho de Josh e Hannah Perrott.

Dicky é fruto do ambiente em que vive, sua moral e costumes ditados pela pobreza da região. Arthur Morrison descreve Jago como um lugar sem lei, onde a honestidade e o trabalho são vistos com desconfiança, onde fazer parte da máfia era ganhar na vida, e mesmo a higiene mínima era vista como um disparate, um desrespeito com a comunidade, haja vista o preço do sabão, e a pouca disponibilidade de água.

Dicky é um menino esperto, pequeno para sua idade, com um certo tino para pequenos furtos, que acaba depositando nas mãos de Weecher, dono de um café numa das ruas menos pobres da região, que extorque crianças de seus “achados” por comida, sempre a um preço exorbitante. A violência em sua vida é uma constante, com as facções de Jago brigando constantemente entre eles e entre os bairros vizinhos. Mortes são frequentes, e a fome é uma constante.

Ainda assim, Dicky tem um forte senso de família, e faz tudo para que sua mãe, seu pai e seus irmãos menores são sofram com a carestia. E então chega o Pastor Sturt que, determinado a construir uma comunidade honrada em Jago, tenta em vão mudar a dinâmica do lugar. Sturt é respeitado pelos Jagos, e tenta mudar aos poucos seu comportamento. Vê em Dicky um rapaz inteligente, com capacidade para sair daquele mundo, e logo oferece-lhe a oportunidade de um trabalho honesto, que este logo aceita.

Mas logo o sonho da vida honrada de salário fixo é esmagado pela vida neste lugar inóspito, e o frágil equilíbrio encontrado pela família Perrott é despedaçado, infelicidade atrás de infelicidade. O fim da história de Dicky é ao mesmo tempo profundamente triste e libertador.

Arthur Morrison foi muito feliz na descrição de um retrato, senão verdadeiro, bastante verossímil da vida nas camadas mais pobres da população de Londres na era Vitoriana. Muito como nossas favelas, a comunidade de Jago tem suas próprias leis e costumes, bem como um linguajar próprio, amplamente explorado pelo autor.

Ele usa muito de registros de oralidade e gírias da época que podem tornar o texto quase irreconhecível para um leitor contemporâneo, não fossem as muitas notas do editor da apostila, que traduzem as mais difíceis para um vocabulário mais palatável. As conversas entre os Jagos podem deixar um leitor de primeira viagem perplexo, mas nada que uma lida em voz alta com um sotaque inglês bem forte não resolvam. E essa dificuldade de leitura foi preciosa para os objetivos da pesquisa e A Child of the Jago é uma história fluida mesmo com tantos detalhes.

Ela coloca o leitor em contato direto com uma época e lugar diferentes, invisível na sociedade contemporânea, a sombra de homens e mulheres sem perspectiva de futuro, que buscam a subsistência dia após dia. Se alguém tiver acesso ao texto, seja via Project Gutenberg ou qualquer outro meio e a disposição para ler num inglês não muito fácil, eu recomendo fortemente este livro.

  • E, como bônus, aqui vão as palavras e expressões anotadas pelo editor da apostila, com suas respectivas traduções em inglês.
a break = a collection taken up for someone recently released from prison
a dose of the cat = flogged with cat o’ nine tales
a’penny = halfpenny
addick = haddock
bad head = headache
bagatelle board = game in which small balls are rolled down an inclined board into various holes for points
balmy = daft, eccentric
Band-of-Hope = a Victorian temperance organization for working class children
bang-up = fine
barney = quarrel
bedight = adorned
begging screeves = letters soliciting money, usually adressed to strangers and intended to appeal to their charitable impulses.
benjamins = coats
benjies = waistcoats
billycocks = felt hats wit low, rounded tops
black cap = when passing a sentence of death, the judge wore a loose black cap, a token of sorrow, over his requisite wig
bloater = smoked herring
Board School = a public school, in the American sense of the term.
bob = shilling
Bob the Bender = a drunk
Bounders = ill-bread people
brickbat = piece of broken brick
broads = playing cards
bull’s-eye = a lantern that projects a beam of light
bungin’ up = swelling
bungs = stoppers in casks
buster = burglar
cadged = to borrow without intent to repay
centrebit = boring tool used in a dril
chancery = in a predicament
chandlers’ shops = shop selling household goods
checks = square-pattern suits
chived = stabbed
claimed a peter = stole a box
clicks = robberies
condign = fitting
copper  = cooking pot
costers’ = hawker of fruit, vegetables or other edibles
cut his lucky = to make a getaway
daisies = boots
davy = affidavit
dodging = trickery, fraud
done the sparks= stole the diamonds
Elementary Educational Act = the Elementary Educational Act of 1870 laid the administrative foundations for schooling of all children between the ages of five and twelve in England and Wales. Not until 1880, however, was attendance made compulsory
fag = pickpocket
fell = to be aprehended
fences = receivers of stolen goods
five stretch = five years in prison
flimped = robbed
flimpin = robbing
frails = baskets
friendly lead = A whip round held in a pub to raise money for a recently released prisoner
fullied = comitted to trial
gigs = two-wheel carriage pulled by a single horse
gilt = money
gimlets=  t-shaped tools used for boring holes
gonophs = thieves, pickpockets
gut = narrow passage
handers = corporal punishment
hardbake = a sweetmeat made with molasses, almonds, and orange or lemon juice
hoarding = temporary fence erected around a construction site
hobbledehoy = a clumsy youth
hooks = pickpockets
hospital letters = referrals or letters of recommendation to hospitals, often distributed by charities
I’ll corpse ye = I’ll kill you
ice-cream coat = light-colored coat
ikey = jewish
in the boat = in prison
inderin’ = hindering
jack-a-dandies = sissies
james = crowbar
jaw-break = a wrestling hold
kicksies = trousers
kissed the book = swore an oath to tell the truth
lagged = sentenced to prison
laggin’ dues = likely to be sentenced to penal servitude
lagging = imprisonment
leaving shop = pawnshop
lob-crawler = till-robber
loo table = card table
mace = obtaining goods on false pretences
maced = fleeced
mag = swindling or con artistry
mazzard = face
milch-cow = source of easy money
moke = Donkey
mugs = victim or dupe
mummer = performer in a pantomime
muzzy = mentally confused
nark = inform
narkin’ dues = arrested because an informer squealed
neddy = heavy stick
nine centuries o’ quids = 900 pounds sterling
nobby = smart, impressive
Norton Folgate = a short length of street near Liverpool Station connecting Bishopsgate throroughfare to the south with Shoreditch High Street to the North
on ticket-of-leave = discharged from prison but on highly restrictive probation
oof = money
oof = money
Ooks = literally pickpocktes but invoked here to mean fellow criminals
Oxton = Hoxton, an area of London north of Shoreditch
Panjandrum = pompous official
pecker = spirits, cheerfulness
peter-claimer = bag-stealer
pony traps = two-wheel carriage pulled by a pony
quacksakver = charlatan
queer = unwell
quoddin = serving time in prison
ragamuffin = ragged child
rasher = broiled bacon
rates = property tax
ratling = young rat
recked = paid head to
red watch = gold watch
rorty = lively, gay
rum = strange
rush-bags = bulrush bags
sall-farming = operating flophouses
saveloys = spiced sausage
screwed a chat = robbed a house
shallow = Flatbed wagon
slang = watch chain
smugged = arrested
snidesmen = counterfeiters
split = detective
squeeged = cheated
stir = prison
stoat = weasel
stramash =turmoil
summonsing = going to the police
swag = stolen goods
The Clerk of Arraigns – the clerk to the court in Criminal Court proceedings
The Mount = Friar’s Mount, another name for the Old Nichol slum
The Recorder = judge
third plague of Egypt = lice
ticker = watch
to fence = to exchange or receive stolen good for money
toff = a classy man, a man of importance
tog = clothing
toke = bread
topper = a thing of superior quality
tossed = to play dice or gamble with coins
toy and tackle = watch and chain
toy=getting = watch stealing
tripe = intestines
truck = barrow
tumbrils = carts
turkey rhubarb = Rheum palmatum, a plant with medicinal properties, also known as “Chinese Rhubarb”
turn up Ross = referred to Ronald Ross (1857-1932), physician, expert on malaria, and professor of tropical medicine
twirls = skeleton keys
uxter = money
uxter = money
weeded = stolen
welkin = sky or heavens
welshers = informers
wen = boil
wide = cunning
worked the mace = swindled
yannups = money
Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Literatura, Resenhas, Victoria e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s