Contos Essenciais: O príncipe feliz (Oscar Wilde)

Era uma vez uma andorinha que ficou para trás durante a migração anual por conta de um amor que não deu certo. Ela encontrou a estátua do príncipe feliz, coberta de ouro, com olhos de safira e um grande rubi enfeitando sua espada. A estátua encerrava a alma de um príncipe taciturno e um coração de chumbo. Aos poucos, andorinha e estátua tornam-se amigos. A ave transforma-se em mensageira do bom príncipe, e doa suas riquezas aos pobres. No fim, temos um coração quebrado e uma andorinha congelada, os itens mais preciosos desta cidade pacata. Poderia ser dos irmãos Grimm, mas é Oscar Wilde. E isso faz toda a diferença.

O príncipe feliz foi publicado em 1888, mas já possui a essência do Oscar Wilde que mais tarde nos legaria O Retrato de Dorian Gray. É um conto com múltiplas facetas, preocupado com a beleza da linguagem, sutil mas feroz em suas críticas, e com um olhar particularmente aguçado sobre a natureza humana. A começar pela andorinha. A ave que inicia o conto é uma vítima do belo por ele mesmo, da maneira mais superficial possível. Apaixona-se por um junco, um belo junco, que não fala, apenas se movimenta de acordo com o vento. Mas é um junco muito bonito. Seus amigos, tão ou mais superficiais, taxam a relação de ridícula. Não por ser impossível, mas porque a amada não possui dinheiro, e ainda por cima vem de uma família muito grande. Vale lembrar que até o nome do animal escolhido remete a essa característica. No original, andorinha vira Swallow, palavra cuja grafia é bastante próxima de Shallow (superficial).

Após a migração dos pássaros, a andorinha perde todo o interesse no amado junco. Ela é terrivelmente calada, ligada à terra e ainda por cima está dando em cima do bendito vento. A andorinha deixa então a relação que ela mesma criou e parte em busca dos amigos, em rota migratória para o Egito. No caminho, passa pela cidade do Príncipe Feliz, representado por uma magnífica estátua, folheada a ouro e com gemas preciosas no lugar dos olhos e do botão da espada. O monumento foi erigido pelos governantes da cidade, e serve de símbolo de conduta para seu povo. A mensagem é bastante clara. Seja rico e belo, e serás feliz. Ou assim parece. Pois dentro da bela estátua encontra-se a alma do falecido príncipe, não tão feliz assim.

Não que ele achasse isso em vida. Protegido da miséria por muros altos, sem interesse de desbravar além daquele limite, o príncipe sentia-se agradado. Ali fazia tudo que lhe dava prazer. Por isso julgava-se realmente feliz. O castelo em que vivia era uma espécie de casulo, do tipo que até hoje colocamos em prática, com nossas grades, porteiros, alarmes e etc. Nos aprisionamos voluntariamente para podermos negar a miséria do próximo. Mas a estátua foi posta num pedestal alto demais, e o príncipe não pode mais negar o que acontecia em sua cidade. Mas estava preso neste pedestal, nada podendo fazer.

A decisão da andorinha de dormir junto à estátua foi tomada por um motivo estético: “dormirei em uma cama de ouro”, diz antes da primeira lágrima cair. Na presença de algo belo e triste, comove-se. Quando descobre que a estátua não é maciça, surpreende-se. Sente uma certa repulsa por o monumento não ser “puro”. Mas o príncipe, desligado das vaidades da vida, resolve se desfazer das vaidades de seu corpo de metal. Com a ajuda da andorinha, descobre uma nova liberdade. Aos poucos vai despindo-se  de suas riquezas e doando-as aos necessitados porque “os vivos sempre acham que o ouro pode fazê-los felizes”.

As viagens que a andorinha faz para entregar os objetos preciosos aos necessitados mostram os dois lados da cidade. Os abastados desfrutando de sua abundância – enquanto os pobres estão em sua porta. Aos poucos, a andorinha aprende a ver pelo ponto de vista da estátua e decide não abandoná-la. Mas força de vontade não é o suficiente para mudar quem ela é, e seu fim é trágico. A estátua, destituída de seus enfeites e finalmente exibida em sua essência, perde o encantamento que a fez ser erigida, e é derretida para aplacar o ego dos governantes. Mesmo a última cena, do encontro dos itens preciosos – coração de chumbo e andorinha – com Deus, podem ser interpretados com cinismo, já que a função do príncipe no céu será adorar o seu Deus.

E  esta foi apenas a última das leituras que fiz desse conto. E essa é apenas uma das interpretações possíveis. A história pode passar por um conto de fadas simples, pregando o amor ao próximo, tendo como recompensa seu lugar no céu, e podemos discuti-lo sob diversos ângulos e pontos de vista diferentes. O príncipe feliz é um Conto Essencial em vários sentidos. Foi escrito por um ícone da literatura britânica em um de seus séculos mais férteis, e capta a sua essência, é escrito com precisão, molda-se ao leitor, engana em sua simplicidade. É um conto que muda de faceta a cada nova leitura, que mantém-se atual após mais de 120 anos de publicação. É essencial porque fala da natureza humana e de suas máscaras mais primordiais. São aquelas poucas páginas que mudam sua perspectiva, sua maneira de pensar.

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Contos Essenciais, Literatura e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

7 respostas para Contos Essenciais: O príncipe feliz (Oscar Wilde)

  1. Margareth disse:

    Todo simbolismo que nos leva a questionar essa natureza complexa do “ser humano” é de total importância para a nossa evolução!

  2. maria eduarda noguera de olivera disse:

    lindo uma historia linda me apaixonei por essa historia muito boa queria um principe desse pra mim tbm mai que pena q eu ja tenho o meu né……….

  3. Pingback: Especial Oscar Wilde (1854-1900)

  4. vitoria disse:

    o amor da andorinha pelo principe foi muito lindo o ponto de ficar junto ao principe

  5. valentina brito disse:

    Essa história realmente é emocionante!!!

  6. valeria castro disse:

    Amei essa historia linda

  7. simplicio disse:

    não levamos riquezas o nosso tesouro é adoramos á deus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s