Morte dos Reis (Bernard Cornwell)

“Ela aterroriza. Não há lugar mais terrível que a parede de escudos. É o lugar onde morremos, onde conquistamos e ganhamos reputação.” (p.354)

Uhtred de Bebbanburg é o narrador e o grande herói das Crônicas Saxônicas de Bernard Cornwell, das quais Morte dos Reis é o sexto volume. Para quem não é familiar com a série, publicada no Brasil pela Record, trata sobre os primórdios da Inglaterra enquanto país. Fala da ascensão e do reinado de Alfredo, o Grande e seus filhos, e de seu sonho por uma Britânia unida. Como é praxe do autor, as crônicas são narradas em primeira pessoa, através do olhar de um guerreiro.

Este guerreiro em particular nasceu saxão, mas foi criado por dinamarqueses – os temidos vikings. Tem traços, maneiras e crenças dinamarquesas, mas suas escolhas e seu destino fizeram com que lutasse pelos saxões, sob a proteção de Alfredo. O rei, um homem inteligente, sábio, justo e religioso, é um antagonista perfeito para o pagão Uhtred. Rei e guerreiro se admiram mútua e relutantemente. Uhtred confia no julgamento de Alfredo, e Alfredo confia no tino marcial de Uhtred.

No início de Morte dos Reis, Uhtred e seus homens já garantiram suas reputações contra os dinamarqueses. Após a batalha de Beamfleot, retiraram-se para a Mércia, onde Uhtred arrenda as terras da filha de Alfredo, e sua amante AEthelflaed; Alfredo está às portas da morte e os dinamarqueses, desejosos do domínio de Wessex, preparam uma nova investida, impelidos pelas palavras de uma feiticeira, cuja leitura do futuro lhes garantia a vitória. Isso faz com os que caminhos de Alfredo e Uhtred se cruzem uma derradeira vez.

Dos seis livros da série, esse é o mais focado na parte política do nascimento da Inglaterra. Fala da transição entre reinos, da administração de cidades, das decisões de um conselho, de detalhes da administração de um burh. Tudo isso sem deixar de lado o que Cornwell faz de melhor, desenhar a estratégia da batalha e o horror de um embate campal. O texto de Cornwell fascina, os ganhos entre os capítulos são um convite para passar a noite sem dormir, acompanhando os golpes de Bafo de Serpente e Ferrão de Vespa em campo aberto, ou na parede de escudos.

As conversas entre Uhtred e Finan – seu braço direito -, os ardis engendrados por sua guarda doméstica, a inteligência ferina de AEthelflaed adicionam leveza e humor à narrativa, humanizando seus personagens. Como todos os protagonistas do autor, Uhtred é dotado de sagacidade e instintos excepcionais, algumas vezes obscurecidos pela dúvida ou pelas paixões. O menino órfão do primeiro livro é agora um guerreiro veterano de 45 anos, mas com a mesma essência. Suas amizades são verdadeiras, seus ódios são francos. O pano de fundo histórico é baseado em alguns textos verídicos, mas os registros são esparsos e as liberdades do autor foram muitas. O que não impede absolutamente o leitor de ser fisgado pela Inglaterra do século IX e X, seus usos e costumes, seus nomes estranhos, seus hábitos de guerra.

Gosto do cuidado que a Editora Record teve de manter o mesmo tradutor para toda a série, o que garantiu até agora uma coesão narrativa bastante necessária numa obra com tantos topônimos e personagens. Infelizmente, em Morte de Reis, a revisão deixou um pouquinho a desejar, deixando passar algumas palavras com erro de digitação e alguns nomes de personagens trocados – principalmente entre AEthelred e AEthelflaed. Não que esses deslizes tirem o brilho da obra, ou atrapalhem sua leitura, eu só esperava o mesmo cuidado dedicado aos demais volumes.

Morte dos Reis é indicado para os fãs de Bernard Cornwell, ou de batalhas históricas, de livros sobre guerra e de romances históricos. Tem tudo para agradar o leitor de “Livros Pipoca” e pode ser lido independentemente dos demais volumes da série, ainda que melhor aproveitado em após essa leitura. Para os aficionados por lutas de espadas e book trailers, nada melhor que encerrar o post com um pouquinho de Uhtred;

MORTE DOS REIS, Crônicas Saxônicas, volume 6

Bernard Cornwell

Título Original: Death of Kings

Tradução: Alves Calado

378 Páginas

Editora Record

Preço sugerido: R$ 42,90

Saiba mais sobre essa e outras obras no site do Grupo Editorial Record

 

 

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Literatura, Resenhas e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Morte dos Reis (Bernard Cornwell)

  1. Carlos Renato Danetti da Silva disse:

    Terminei de ler o livro hoje. Sensacional, assim como todos os livros da série. Também percebi esse problema da revisão da tradução. Em determinada parte da leitura comecei a lembrar do filme Forrest Gump, pois no livro li que Uhtred havia matado “Bubba”. Brincadeiras a parte, como já foi dito, esses erros não tiram o brilho da obra e até são aceitáveis considerando a complexidade e variedade da grafia. Resta aguardar a continuação da história, pois “Uhtred deve continuar lutando”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s