Bibliomania: Leitura e Internet

Todo leitor tem suas manias. O advento da internet permitiu que muitos hábitos mais se instalassem. Seja marcar seus livros lidos no Skoob  por ordem de estrelinhas; não escolher a próxima leitura antes de fuçar todo e qualquer blog atrás de uma resenha favorável; evitar resenhas online a todo custo; discutir verborragicamente sua leitura no Twitter ou abrir diversos novos tópicos no Meia Palavra. Toda uma nova geração de leitores se acostumou a integrar seu hobby solitário a alguma atividade online.

Como escritora neste blog eu, claro, não fujo à regra. Resenho toda e qualquer leitura, anoto minhas leituras no Skoob, espalho literatura no Twitter e no Facebook como poucos. Mas para mim, a internet ainda é, primariamente, uma fonte de informação e pesquisa. É na internet que busco saber mais sobre a história do autor, de sua época, sobre o assunto da obra.

Tenho, como já atestei diversas vezes, um fraco por romances históricos. Descobri com os eles um gosto bastante acentuado pela História, desde a época da faculdade, lá se vão mais de 10 anos. Numa conversa com um grupo de leitores, certa feita, me questionaram por que, se eu gostava tanto de História, não lia os livros técnicos sobre o assunto. Na época fiquei sem resposta, não soube dizer o que tanto me atraía na ficção com pano de fundo histórico.  Hoje posso dizer que o que me atrai aos romances é a oportunidade de pesquisar na internet.

Adoro sentar-me com um livro com um pacote de post-its, na hora do almoço ou no ônibus de volta pra casa, e marcar os eventos interessantes de um livro. Não raro essas marcações servem como um lembrete para uma pesquisa. Procuro em diversos sites artigos sobre a época descrita no texto, na tentativa de determinar o que ali é ou não real. Começo pela Wikipedia quase sempre, apesar de uma certa desconfiança de seu conteúdo. Busco artigos nos idiomas que conheço, e me foco nos que contém mais referências. Referências estas que são o próximo passo da minha pesquisa.

Se, como em qualquer obra de Tracy Chevalier, a história se trata de uma obra de arte, procuro imagens da referida obra, bem como detalhes sobre seu autor e de sua confecção. Se é um livro de Bernard Cornwell eu aguardo pacientemente chegar nas páginas finais e sua clássica Nota Histórica, e dali vou direto pesquisar sobre a batalha e seus personagens em algum site dedicado ao tema, como o da BBC ou do History Channel.

Se é um livro de viagens, como Paul Theroux ou de memórias de uma cidade, como Paris é uma Festa ou Istambul, ou mesmo biografias, vou direto buscar imagens da época ou do lugar. Em casos mais graves passeio pelas cidades através do Google Street View. Na minha última leitura, o excelente Contra o dia, de Thomas Pynchon, minha mania chegou a um extremo. O foco, neste caso, era descobrir se tal evento ocorrera ou fora inventado pelo escritor, bem como tentar entender algumas das várias teorias científicas.

Talvez por isso a ideia de um livro “interativo”, como o Grau 26 resenhado por nosso colaborador Rubens “Ramalokion”, me desperte a curiosidade. Uma iniciativa multiplataforma parece ser o caminho natural de várias artes, da literatura à fotografia. Até porque para mim o livro, seja em plataforma digital ou em papel, já está repleto de referências e hiperlinks para esta maravilha da nossa época chamada internet.

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Comportamento, Literatura e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

8 respostas para Bibliomania: Leitura e Internet

  1. Mimi disse:

    Eu também adoro dissecar as informacoes históricas, referências, curiosidades, etc das páginas do livro que estou lendo.
    Tento nao deixar nada passar batido, por isso as vezes demoro um mês pra terminar um livro.
    Já até pensei em reduzir minhas pesquisas e aumentar meu número de leituras, mas aí perde toda a graca (pra mim). No momento estou fazendo isso com The Great Gatsby.

  2. Abilio disse:

    Sua paixão por eventos historicos(reais ou não) e pelos romances historicos deve ser muito gostoso de assistir, Kika ^^

    Me imagino vendo voce, como por uma tela de TV, anotando, pesquisando, se empolgando com o que encontra e, como em uma serie ou filme, compartilhando seus pensamentos enquanto faz tudo isso e acho que ficaria encantado em poder observar 🙂

  3. Rubens "Ramalokion" disse:

    É bem isso mesmo Kika… eu não consigo entender todo esse auê em cima de uma mera POSSIBILIDADE. Você escolhe (ou não) se aprofundar no assunto.

    Se o próprio livro (ou mais especificamente a mídia) permite essa maior exploração, qual o problema? Até porquê ainda não vi nenhum livro que OBRIGASSE a interação com outras midias.

    O citado Grau 26 possui anexos, expansões da história, em nenhum momento não se pode continuara leitura por causa do hipertexto!

    • Bruce Torres disse:

      Sem querer voltar àquela discussão, Rubens, mas definimos “Grau 26” como sendo “transmedia storytelling” ou literatura de hipertexto?

      • Ramalokion disse:

        Ah Bruce deixo essas coisas técnicas com os melhores preparados!

        Mas para não dizer que fico em cima do muro: para mim Grau 26 é o primeiro (ou um dos, vá lá!) de uma nova forma de se contar historias. Se eu tivesse lido direto no Tablitho (meu tablete – sou genial em dar nomes as minhas coisas!) tenderia ao Hipertexto camuflado.

        Ou não.

  4. Silvana disse:

    Olá KIKA,
    Sou o típico exemplo de “jurássica” no computador, porém fuçar também faz parte do meu perfil, tanto que cheguei ao MEIA PALAVRA e me encantei, ou melhor me identifiquei. Essa coisa de explicar, complementar, e ilustrar um pesquisa bibliográfica a princípio, na internet se enriqueceu muito, assustadoramente às vezes. A boa notícia, seu texto me “acalmou” .
    Um abraço,
    Silvana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s