A outra rainha (Philippa Gregory)

Ler romances históricos é sempre uma aventura para mim. Dentre meus autores preferidos está Philippa Gregory, cujo título “A outra rainha” chegou às minhas mãos recentemente, e a vontade de ler chegou há alguns meses com a ótima resenha da Anica.

A história é narrada a partir de três pontos de vista: Bess, a esposa do Conde de Shewsbury, mulher prática e preocupada com seu patrimônio construído cautelosamente dos espólios da Reforma protestante na Inglaterra; George Talbot, 6º Conde de Shrewsbury, homem para quem a honra é tudo e nobre de longa linhagem, sem nenhum sentido de dinheiro; e Maria Stuart, a rainha dos escoceses, mulher jovem e altamente ciosa de sua posição de realeza.

Bess de Hardwick, minha personagem preferida, é o que hoje chamaríamos de “pé-no-chão”. Não muito afeita a sentimentalismos, casou-se com vista a sua segurança financeira e posterior título de nobreza. É afeiçoada a seu marido, mas não o ama. Suas propriedades, no entanto, são sua vida. Seus controles financeiros eram tão rígidos que foram conservados para a posteridade.

George Talbot, o conde, é um homem acostumado a códigos de conduta e rituais de nobreza. Probo e honroso num grau extremo, não consegue imaginar que seres da realeza sejam menos do que anjos. Por outro lado, desconfia enormemente do administrador real William Cecil, a quem atribui todas as turbulências do reinado de Elizabeth.

Maria Stuart, a rainha, considera-se soberana três vezes: da França, pelo casamento com o filho de Henrique II, morto ainda jovem, da Escócia, por nascimento, e rainha da Inglaterra, já que considera Elizabeth uma bastarda e é neta da irmã de Henrique VIII. Casou-se na Escócia com Lorde Darnley e assim que seu marido foi assassinado, presumivelmente por Bothwell, casou-se com o assassino. Os lordes da Escócia se revoltaram e Maria Stuart se viu pedindo asilo a sua prima e por ela é aprisionada.

Especialista em romances da era Tudor, Philippa Gregory foca desta vez o reinado de Elizabeth. Mais especificamente a longa custódia de Maria Stuart, rainha dos escoceses. Baseado numa extensa bibliografia histórica, ainda sim é um romance. Dentre os fatos, destacamos serem rais, Bess de Hardwick veio de baixo e cresceu com seus casamentos, George Talbot se afeiçoou à sua prisioneira, e realmente Maria Stuart teve sua residência em vários castelos do casal Shrewsbury.

A história se passa entre 1568 e 1573 e retrata mais do que o suplício da rainha, que na obra de Philippa Gregory não é assim tão inocente como querem pintar, mas a deterioração de um casamento.  Bess e George, recém casados, felizes, veem sua relação desmoronar aos poucos pela presença de Maria. As personagens são muito bem construídas e a voz de cada um é única. Talvez não seja a obra prima de Philippa Gregory, mas, com certeza, é um excelente retrato da era Tudor.

A outra rainha
Philippa Gregory
Tradução: Ana Luiza Borges
420 Páginas
Preço sugerido: R$49,90

Saiba mais sobre essa e outras obras no site do Grupo Editorial Record

 

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Literatura, Resenhas e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para A outra rainha (Philippa Gregory)

  1. Bruna Amaral disse:

    Ahh… eu estou louca pra ler todas as obras desta autora…

    Vou começar pela Princesa Leal… pra acompanhar numa ordem cronológica….. estou ansiosa pra começar… rs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s