As loucuras do Rei (Jean Plaidy)

O Rei Eduardo I foi um exemplo de monarca. Foi enérgico contra os escoceses, manteve boas relações com seus vizinhos poderosos, garantiu a posse de terras. E isto sendo sucessor de dois reis que praticamente levaram a Inglaterra à ruína. Mas Eduardo I morre antes de completar sua obra. Seu sucessor, Eduardo II é um rapaz frívolo e apaixonado, mais interessado em agradar seu amante Piers Gaveston do que em governar seu país. Estamos num país católico do século XIV. Se um relacionamento homossexual ainda sofre preconceito hoje, imagina na Baixa Idade Média. Para piorar, Gaveston nasceu plebeu, é esperto e manipulador.

A monarquia Inglesa já era atípica. Boa parte das decisões cabia aos pares, ou seja Barões e Condes poderosos, possuidores de vastas porções de terra. Na tentativa de “consertar” Eduardo, os barões insistem que ele se case logo com a Princesa Isabella de França, compromisso assumido enquanto ainda eram crianças. Isabella de França é o completo oposto do marido. Filha de Felipe, o Belo, rei da França e homem de forte caráter e personalidade, Isabella está acostumada às estratégias de poder e as reações do povo às ações de seus monarcas.

O pano de fundo deste volume, o oitavo da saga dos Plantageneta, coincide com o início de uma outra série de romances históricos, do francês Maurice Druon, “Os Reis Malditos”. Jean Plaidy descreve a delicada relação entre um soberano e sua rainha, seus amantes, seus pares e seus súditos. Na qualidade de romance histórico, a autora parte de personagens e fatos históricos para criar sua narrativa. E minha experiência como leitora deste tipo de romance me diz que personagens históricos dão ótimos personagens de ficção. “As loucuras do Rei”  não é uma exceção. A paixão de Eduardo por seu favorito, o ódio dos barões, a determinação de Isabella e o egoísmo de Gaveston fazem desta uma história divertidíssima de acompanhar. E a leitura dos volumes anteriores, embora enriqueça a obra, não é indispensável.

Por outro lado, a linha narrativa é um pouco confusa, com pontos de vista se alternando sem aviso. Levei algumas páginas para me reacostumar com um narrador em terceira pessoa, e a multiplicidade de personagens, tão diferentes entre si, deixou o texto um pouco truncado. A história, no entanto, é tão cativante e cheia de intrigas que estes pequenos deslizes narrativos são fáceis de relevar.

As loucuras do rei

Título original: The follies of the king

Autora: Jean Plaidy

Tradução: Luiz Carlos do Nascimento Silva

Coleção: Saga Plantageneta (volume 8 )

400 Páginas

Edições BestBolso

Preço sugerido: R$ 19,90

Saiba mais sobre essa e outras obras no site do Grupo Editorial Record

 

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Literatura, Resenhas e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s