A Song of Ice and Fire (George R. R. Martin): Dothrakis

Além do Mar Estreito vive um povo destemido, implacável, cuja vida gira em torno de seus cavalos e suas lutas. Muitas vezes descritos como uma horda, os Dothraki possuem uma cultura única no mundo de A Song of Ice and FIre. Cavaleiros exímios, guerreiros temidos, são famosos arqueiros montados. A região onde vivem é chamada de Mar Dothraki e é na verdade uma grande planície coberta de grama. Por serem um povo nômade, não possuem castelos ou grandes construções, suas moradias são barracas, e mesmo a do líder não é muito maior do que as outras. Não-oficialmente, eu comparo Dothrakis aos Hunos, na época de Gengis Khan.

Cada grupo de Dothrakis é chamado de Khalasar,  e é liderado por um Khal. No início da saga, o Khalasar  do Khal Drogo possui mais de 40 mil homens, mas não é o único a habitar o Mar Dothraki. Cada Khalasar é dividido militarmente em khas, liderados por sua vez pelos comandantes designados pelo Khal, os Kos (a grafia varia). Um Khal  possui também companheiros de elite, os Companheiros de Sangue (Bloodriders). A esposa do Khal  é a Khaleesi, papel representado por Daenerys na trama.

Bloodriders (Companheiros de Sangue):  São jurados ao Khal. Ao conversarem, Khal e Bloodrider chamam-se de “Sangue do meu Sangue”. O juramento é feito até a morte, sendo que os bloodriders devem morrer se seu Khal morre. Caso a morte tenha ocorrido em batalha, antes de morrer o Bloodrider deve vingar seu mestre. Neste caso, tem ainda o dever de enviar a Khaleesi a Vaes Dothraki com segurança.

Kos:  Comandantes de elite do Khal. Cada Ko é responsável por um Kha, e é exímio na arte da guerra. Como não há lei de hereditariedade entre os Dothraki, são fortes candidatos a Khal, no caso da morte de seu mestre.

Khaleesi: Esposa do Khal, a ele pertence. No dia do casamento, é quem recebe os presentes, ainda que alguns sejam destinados ao marido. Se o Khal morre, ela não herda direito algum, mas deve retornar à cidade sagrada dos Dothraki (Vaes Dothraki) para se tornar uma anciã, uma sábia.

Vaes Dothraki:  A cidade sagrada do povo Dothraki. Lá o povo expõe as estátuas dos deuses das cidades que destruíram, e todos os Khalasars devem manter a harmonia. Não se pode derramar sangue em Vaes Dothraki. É também refúgio das anciãs, das sábias. É a terra mãe do povo.

Costumes e cultura:  A Cultura Dothraki gira em torno do culto ao cavalo e à guerra. A refeição preferida é carne de cavalo, homens são mais ligados a seus cavalos do que às próprias esposas, a riqueza de um khalasar é medida pela quantidade de cavalos que possui. É ainda uma questão de status e orgulho. Homem e mulher que se preze só viaja no lombo de um cavalo. Eles possuem carretas, mas viajar numa delas é sinal de fraqueza e apenas homens e mulheres muito velhos ou mulheres com crianças muito novas viajam nelas. Os Dothraki ainda consideram armadura um apetrecho para covardes.

Crenças: Para os Dothraki, todas as coisas importantes da vida devem ser feitas a céu aberto. Para as mulheres grávidas, comer um coração de cavalo cru e não vomitar é sinal de uma criança saudável em seu ventre. Não confiam em qualquer líquido em que seus cavalos não possam saciar sua sede; o que os faz extremamente desconfiados de mares, que consideram água envenenada.  As estrelas seriam a alma de homens valentes ou uma horda de cavalos de fogo que correm pelo céu à noite.

Símbolos de poder: Ser possuidor de armas de qualidade e cavalos em quantidade. Possuir um longo cabelo trançado com pequenos sinos. Quando um Dothraki perde uma batalha, deve obrigatoriamente cortar seu cabelo, e cada vitória é comemorada com um sino em sua trança. Para usar uma trança, o homem Dothraki deve ter se mostrado capaz em batalha. Diz-se que Khal Drogo nunca perdeu uma batalha. Seu cabelo chega abaixo da linha da cintura e é trançado com vários sinos.

Quando comparados aos povos de Westeros, poderia-se considerar que o povo Dothraki é bárbaro, selvagem, primitivo, e sua cultura é desprezada por alguns. Mas ninguém ousaria desprezar o poder deste povo em combate. E é por isso que retomo minha comparação aos Hunos. Hunos também eram exímios arqueiros montados, tinham uma cultura que dava bastante importância aos cavalos, viviam em vastas planícies e em diversos clãs, pelo menos até Gengis Khan. Até os nomes são semelhantes. Veja, por exemplo o líder: Khan – Khal. Não há nada que diga que George R. R. Martin tenha mesmo se inspirado neles para criar seu povo, mas a comparação me parece bastante óbvia. E você, o que acha?

Na próxima semana o tema será Religião.

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em A Game of Thrones, Literatura e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A Song of Ice and Fire (George R. R. Martin): Dothrakis

  1. JLM disse:

    fora q o aspecto sexual dos dothrakis tb trazem referências equinas: os homens “montam” as mulheres. assim como o aspecto d poder: espera-se q o filho do khal seja “o garanhão q monta o mundo”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s