O queijo e os vermes (Carlo Ginzburg)

Domenico Scandella, vulgo Menocchio foi um moleiro na região de Friuli, na Itália. Viveu em meados do século XVI, sabia ler e escrever, e deu um baita trabalho para a Santa Inquisição. Por quê? Porque ele sabia pensar. Carlo Ginzberg se deparou com o processo de Menocchio por acaso, enquanto pesquisava sobre os benadanti. O impressionou o tamanho do processo, que unem os argumentos e contra-argumentos entre Menocchio e padres e juízes, uma sensível curiosidade por parte destes pela origem de suas ideias.

O autor usa os livros lidos pelo moleiro, citados pelo processo, e seus argumentos para refazer seus passos. Decodifica aos poucos a mente que chega a tais conclusões, e como ela lê seus livros. Nós leitores compulsivos já sabemos que a página escrita passa por um filtro de conhecimentos e experiências do leitor, antes de serem absorvidas. O que Carlo Ginzburg fez foi deixar claro qual era o filtro de Domenico Scandella para nós.

Domenico Scandella era o que eu chamaria de um espírito livre. Ele não aceitava a opinião do próximo sem antes fazer uma análise cuidadosa desta opinião por seu próprio filtro. E ele levantou algumas questões religiosas um tanto interessantes. Como o mundo nascido do caos, transformando-se em matéria como um queijo e dele nasceram os vermes que eram os anjos, dos quais o mais perfeito era Deus.

Instintivamente, e através de leituras cuidadosas de obras que hoje consideraríamos densas, este simples moleiro de uma cidadezinha rural ao norte de Friuli foi capaz de levantar questões que até hoje são amplamente discutidas por grandes teólogos, filósofos e cientistas, como a origem do mundo, os evangelhos apócrifos, a santidade de Jesus Cristo, a existência do inferno, a relevância das regras da Igreja.

Espanta também a sua coragem em detalhar suas teorias aos inquisidores, como se suas ideias fossem mais importantes que sua vida. O queijo e os vermes resgata da obscuridade um dos poucos relatos de um camponês que viveu durante o período da Reforma e Contra Reforma. É o relato de um homem extraordinário, que não tinha medo de dizer o que pensava. É também uma maneira deliciosa de aprender a gostar de história

 

O queijo e os vermes

Carlo Ginzburg

Tradução: Maria Betânia Amoroso

Tradução dos poemas: José Paulo Paes

Revisão técnica: Hilário Franco Junior

256 Páginas

Companhia de Bolso

Preço Sugerido R$ 23,50

 

COMENTE ESSE ARTIGO NO FÓRUM MEIA PALAVRA

Saiba mais sobre essa e outras obras no site da Companhia das Letras

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Literatura, Resenhas e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s