O Discurso do Rei (Mike Logue e Peter Conradi)

Eu levei um susto no Oscar desse ano. Estava eu, toda contente com meu livro recém-adquirido de “O Discurso do Rei”, editado pela José Olympio, do Grupo Editorial Record, comentando sobre ele com meu marido, quando percebo que o filme concorria pelo prêmio de melhor roteiro. Original.  Minha primeira reação foi algo incrédula. “Como assim roteiro original? O livro está aqui do meu lado!”.  Foi só no dia seguinte, quando efetivamente comecei a lê-lo, que me dei conta que este tinha sido inspirado pelo filme, e não o contrário.

Mike Logue, neto de Lionel Logue, o terapeuta vocal de George VI, foi procurado pela produção de “O discurso do Rei”, em busca de detalhes da vida do australiano a serem incorporados à narrativa. E foi o filme que deu a Mike a motivação para conhecer melhor a vida de seu avô. A partir dali ele angariou vários documentos de família, entre eles as cartas trocadas entre Sua Majestade e Lionel, e dois álbuns de recortes de jornal carinhosamente conservados. Ao tentar refazer os passos de seu avô, Mike Logue contou com o auxílio do jornalista Peter Conradi, e o resultado desta pesquisa foi compilado no livro que  tinha em mãos.

O pano de fundo da história já é altamente interessante, passando por duas guerras, o glamour dos anos 20, as crises dos anos 30. Há ainda um interessante foco na tecnologia das transmissões radiofônicas, e no nascimento da fonoaudiologia. Mas é, essencialmente, a história da vida de dois homens; um nobre, segundo filho de Sua Majestade o rei George V, e um plebeu da colônia australiana. E, apesar da história da fantástica superação da gagueira do rei ser o foco dos comentários, por sua incrível recuperação, é, acima de tudo,  a história de uma amizade. Uma amizade sincera, genuína e emocionante, entre dois homens que, em princípio, não deveriam nem ser conhecidos.

Tal amizade, possível pela ousadia de Logue, pelo problema de fala do então Duque de York, e pontuada pelo trabalho duro, nos permite ainda conhecer a força e o caráter das grandes mulheres por trás destes homens. O que vemos, muito além da firmeza de propósito dos homens, é que eles não iriam muito longe sem suas esposas. E eles são apaixonados por elas. A reverência de Logue pelo rei, no tom de suas cartas, não é apenas a devida pela realeza. É fundamentada numa profunda admiração pelo homem que foi George VI. O tom usado para falar das mulheres da família real é de assombro e de veneração.

E esta narrativa me levou às lágrimas várias vezes. Cada carta de agradecimento, cada presente espontâneo, cada detalhe desta amizade é cativante. São sentimentos tão puros que exalam da correspondência, e de todos os personagens, que é difícil não se identificar. E muito disso se deve ao tom da narrativa, um tom familiar, informal, e ao mesmo reverente. É a voz do neto nos contando como descobriu que seu avô era grande, e de sua importância na história.

E o  filme, embora não tão historicamente acurado, capta bem o relacionamento entre os dois homens, e o foco na atuação faz com que o cenário seja quase completamente desnecessário, dando aquela sensação de que Colin Firth e Geoffrey Rush, um palco, duas cadeiras e um pano negro ao fundo seriam o suficiente. Livro e filme se complementam, e ambos valem, muito a pena.

O Discurso do Rei

Título Original: The king’s speech

Autores: Mike Logue e Peter Conradi

Tradução: Sônia de Souza e Celina Portocarrero

292 Páginas

Editora José Olympio

Grupo Editorial Record

Preço sugerido: R$ 29,90

Saiba mais sobre essa e outras obras no site do Grupo Editorial Record

COMENTE ESTE ARTIGO NO FÓRUM MEIA PALAVRA

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Cinema, Literatura, Resenhas e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O Discurso do Rei (Mike Logue e Peter Conradi)

  1. REGINA HELENA disse:

    Kika, gostei muito da sua resenha.Como você, também tenho especial interesse por romances históricos. É realmente surpreendente o fato de o filme anteceder ao livro, mas na verdade a pesquisa realizada por Mike não poderia ter melhor destino.
    Tenho certeza que será um ótima leitura!!!

  2. Pingback: Noah foge de casa (John Boyne)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s