Poirot perde uma cliente (Agatha Christie)

Um dos personagens mais populares do universo dos romances policiais, Hercule Poirot é, para mim, um dos mais charmosos detetives da história.  Agatha Christie conseguiu criar nele uma aura de realidade tão forte, que até obituário no The New York Times ele recebeu. Poirot perde uma cliente inicia-se de uma maneira bastante comum. Uma senhora de idade, suspeitosa de seus familiares, escreve-lhe uma carta. Que é recebida com dois meses de atraso.

E é justamente o atraso que torna a carta, de outro modo quase non-sense, tão interessante. Tão interessante para o detetive belga que este arrasta um relutante Capitão Hastings, amigo de Poirot e narrador desta história, a Market Bading: uma cidade com ares vitorianos, que havia sido importante, mas não o  era mais.

A primeira vista tudo parece acidente. O cachorrinho da Srta. Emily Arundell teria deixado sua bolinha no alto da escada, causando um acidente que poderia ser fatal. Em função das circunstâncias envolvidas no final de semana, a Srta. Arundell resolve pedir a ajuda de um detetive do qual ouvira falar, mas a carta chega tarde demais. Quanto Poirot finalmente chega a Littlegreen House, a “jovem” senhoura já morreu. E este é só o início da trama.

O que me encanta nos romances de Agatha Christie, e isto desde muito nova, é a maneira como ela conduz o leitor em sua história. Eu sempre tento ganhar do Poirot, e sempre perco. Assim como Hastings, só vejo a sutileza de seu pensamento quando ele mesmo expõe suas conclusões. Acho também muito interessante, e isso se repete em seus romances, o constante embate entre o senso de moral rigidamente britânico de Hastings e a moral mais…”liberal” do detetive.

Ele está disposto a pregar pequenas peças em seus entrevistados, neste caso mais do que em outros, vez que a Interpol não está a par da investigação, e encarna várias pequenas personagens, vários pequenos embustes, que deixam o coitado do Hastings sem chão. Esta interação entre as personagens é, para mim, o tempero das obras de Agatha Christie com seu detetive belga, e funciona como a dupla Watson e Holmes, à sua própria maneira.

E talvez seja por isso que, mesmo sabendo que os livros de Agatha Christie mantenham uma estrutura parecida, incluindo a clássica cena onde seus detetives fazem todos os queixos caírem com suas deduções e brilhantismo, que eu não hesito em ler suas aventuras. Seus personagens são complexos e realistas e, à medida que suas histórias passam por mim , um pouquinho mais de cada um fica registrado na memória, como pessoas queridas de quem sinto saudades.

Vale lembrar que a L&PM possui um site dedicado à autora, que contém as mais variadas informações sobre sua vida e obra, para aqueles, como eu, fãs de carteirinha

Poirot perde uma cliente

Agatha Christie

Tradução: Cássia Zanon

Coleção L&PM Pocket

Ref. 910

288 páginas

Preço sugerido: R$ 18,00

COMENTE ESSE ARTIGO NO FÓRUM MEIA PALAVRA

Saiba mais sobre essa e outras obras no site da L&PM Editores

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Literatura, Resenhas e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Poirot perde uma cliente (Agatha Christie)

  1. Caio disse:

    Assim como ocorreu com Conan Doyle, bem que poderiam reunir a obra de Agatha Christie em um coletânea própria e atraente. Espero ver isso em breve!! Nós merecemos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s