A Dama do Cachorrinho (Anton Tchekhov)

“Dizia-se que havia aparecido à beira-mar uma nova personagem: uma senhora com cachorrinho”. É muito provável que você já tenha lido, ou ouvido esta frase em algum lugar. No filme “O Leitor”, só para citar um exemplo. Este é o início de um dos contos “mais conhecidos e mais queridos” do autor russo Anton Tchekhov (em russo: Антон Павлович Чехов) , lançado em dezembro de 1899, e escrito na própria Ialta.

Conta a história da dama com o cachorrinho e do bancário Dmitri Dmitrich Gurov, e de sua paixão nascida num verão mágico. A história em si é bastante simples, quase corriqueira no mundo literário e real. Um caso de adultério que se transforma em amor. Um caso de desejo que se transforma em obsessão. Li o conto em inglês (tradução de 1903, disponível na nossa Biblioteca) e em português; e na leitura do conto em português, quase taxei-o banal. A história mudou completamente quando o li em inglês.

Tchekhov é um homem de poucas palavras. Ele não se demora em descrições e nem mesmo em ações, deixando boa parte do trabalho para a imaginação do leitor. Em compensação, cada palavra é cuidadosamente colocada em seu lugar, com a função de criar um ambiente, um sentimento, uma ação. E a Dama do Cachorrinho ((Download Grátis disponível na Biblioteca Meia Palavra)) é um bom exemplo disso. Em pouco menos de vinte páginas o casal se encontra, a atração se transforma em romance, o romance se transforma em caso, o caso se transforma em obsessão.

Senti-me como vendo um excerto da vida de Anna e Gurov, cujos caminhos trilhados antes e depois ficaram por ser imaginados. A magia de Ialta está nas cores com as quais Tchekhov a descreve, bem como os cenários de Moscow e S…. Com a releitura, passei a ver a maneira quase poética na qual o autor insere seus personagens na história, coisa que a tradução para o português que li (vinda do francês), falhou em captar.

A melhor comparação que me vem à mente são os filmes orientais, como o Herói, nos quais os sentimentos das personagens se insere no ambiente, em forma de cores, luzes e sombras, mais do que na caracterização das personagens. Mesmo quando descreve a primeira decepção de Anna, o descreve como o murchar de uma flor. Não posso falar com mais propriedade, pois não li o conto em russo, mas percebo o porquê deste conto ter sobrevivido aos anos e se tornado figurinha carimbada em tantas listas de melhores.

DISCUTA ESSE CONTO CONOSCO NO CLUBE DE LEITURA MEIA PALAVRA

Não sabe o que é o Clube de Leitura? Então clique aqui.

Anúncios

Sobre Clarisse

Uma menina com histórias pra contar...
Esse post foi publicado em Literatura, Resenhas e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A Dama do Cachorrinho (Anton Tchekhov)

  1. eu gostei muito desse livro porque ele traz historia diferente um do outro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s